Arquivo da categoria: cinema

TRIBUTO À FRANKENSTEIN

“Its Alive” é um projeto que comemora os 80 anos do Frankenstein, através de 80 bustos em tamanho real retratando o monstro mais querido do cinema em curiosas facetas.

Para a tarefa, 80 artistas foram convidados a criar sua própria versão do personagem, e o resultado final é pra lá de criativo.

As obras estão à venda no site oficial do projeto, e a renda é toda revertida ao St Jude Children’s Research Hospital.

 

STANLEY KUBRICK NO MUSEU: EXPOSIÇÃO NA CINÉMATHÈQUE FRANÇAISE

Um dos grandes mestres do cinema está em exposição em Paris! Stanley Kubrick é responsável por uma filmografia que dispensa maiores apresentações: Lolita, Odisséia no Espaço, O Iluminado, De Olhos Bem Fechados…

A Cinématèque Française reuniu um grande acervo sobre o universo do cineasta, tão extenso que resultou numa exposição de dois andares. Cada sala é dedicada a um filme, onde são exibidas memorabília de filmagens, documentos, scripts, roupas, diários, fotos e telões passando as cenas mais marcantes de cada título.

O machado de “O Iluminado” está lá, assim como os vestidinhos das gêmeas bizarras, e até o clássico triciclo que estrelou uma das cenas mais marcantes da história do cinema.

Entre os documentos mais curiosos, estão cartas de paróquias dos Estados Unidos pedindo para que Kubrick não filmasse “Lolita”, e também telegramas de padres e autoridades externando repulsa depois de terem visto o filme.

A exposição fica em cartaz até o próximo dia 31, em Paris.

camiseta Alguns Tormentos

MOBY REVELA NOVOS TALENTOS DO AUDIOVISUAL

Muito boa essa competição proposta pelo Moby, em parceria com a mega-agência Saatchi & Saatchi e o Vimeo, com objetivo de descobrir novos talentos do audiovisual. A idéia é interpretar de maneira criativa o tema “Hello, Future”, usando como trilha uma faixa do seu último disco, “Destroyed”.

O ganhador terá sua obra exibida no festival de Cannes deste ano, além constar como destaque no site do Vimeo e poder trabalhar em um projeto da Saatchi. Quanto prestígio, não?

Os 10 finalistas já foram escolhidos, e o ganhador será anunciado no próximo dia 23. Estes são os vídeos que a gente mais curtiu:

 

Quem será que leva o prêmio?

TIM BURTON NO MUSEU

Fãs de Tim Burton, comecem a fazer as malas para ir à Los Angeles! Está sendo inaugurada uma exposição incrível sobre a obra do cineasta, no Los Angeles County of Museum of Art (LACMA).

São mais de 700 obras que fazem uma retrospective sobre a carreira de Burton, desde a máscara do Batman que Michael Keaton usou em 1989 até a roupa original usada por Johnny Depp em “Edward Mãos de Tesouras”.

Antes de estrear em Los Angeles, esta exposição já esteve no Moma de Nova York, onde atraiu mais de 800 mil visitantes, a terceira maior bilheteria do museu (atrás apenas de Matisse em 1992 e Picasso em 1980).

via

SOBRE PEDRO ALMODÓVAR

Dono de um estilo muito característico, Pedro Almodóvar é um dos cineastas mais celebrados entre os amantes da sétima arte. Conhecido por retratar temas densos e polêmicos, o espanhol abusa das cores contrastantes em suas películas, pontuadas muitas vezes por um humor ácido. Mulheres fortes e transexuais são protagonistas recorrentes em sua obra, que costuma abordar os roteiros de maneira circular, envolvendo o espectador em um fascinante quebra-cabeça.

Almodóvar é, sem dúvida, um dos grandes nomes do cinema mundial. Em sua rica filmografia, destacam-se “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” (1988), “Tudo Sobre Minha Mãe” (1999) e “Má Educação” (2004). Veja abaixo o trailer de “Kika”:

 

 

ZUMBIS SÃO LEGAIS

por Angélica Bito

Quando eu era mais nova, gostava de filmes de terror. Acho que já comentei sobre isso por aqui. Mas, quando cresci, passei a renegar um pouco isso, principalmente os de zumbis. Quando comecei a trabalhar com cinema, acho que queria mostrar algum tipo de conhecimento ou senso crítico em relação ao cinema, então tive essa coisa de renegar filmes de zumbis. Não estou dizendo que estava correta, pelo contrário. Admito minha imaturidade sem problemas nenhum. Querer se afirmar é complicado, especialmente se você é jornalista. É preciso colhões assumir algumas coisas e, com mais de dez anos de profissão, já sou capaz de abraçar novamente essa minha paixão pelos mortos-vivos.

Cena de 'Madrugada dos Mortos'

Miolos!

Não há muito segredo nesses personagens. Eles morreram e voltaram a vida sedentos por miolos, basicamente, como nos ensinaram os filmes de George A. Romero. Mas os zumbis não existem somente no cinema ou na aula de história (Zumbi dos Palmares está aí rondando nossa mente desde as aulas de história a infância). Os mortos-vivos são comuns nas crenças haitianas desde muito antes de Romero ter aprendido a palavra “zumbi”. Estudiosos relatam que as lendas urbanas relacionadas aos zumbis vêm dos rituais vudu comuns no Haiti nos quais mortos ganham seus movimentos de volta, mas não retornam à vida, necessariamente, por que voltam sem mente, sem personalidade, vontade e essas coisas que os humanos têm. Estes zumbis haitianos tornam-se escravos sem mente. O livro O Guia de Sobrevivência a Zumbis, de Max Brooks, é um livro de ficção que leva bem a sério a fisiologia dos mortos-vivos, explicando por que eles andam se arrastando, como é a visão e o olfato dessas criaturas, por exemplo, tornando-se um clássico na literatura estrelando os zumbis.

Um dos primeiros filmes a trazer um morto-vivo como protagonista é O Golem, de 1920, no qual o zumbi é uma coisa meio estátua animada/ robô/ morto-vivo. Embora eles sejam bem presentes na literatura, os zumbis são mais populares no cinema mesmo – terreno no qual eu realmente os aprecio. Acho que essa apreciação está muito relacionada aos meus sentimentos mais juvenis, essa coisa de achar legal esses caras comendo miolos. Além de A Noite dos Mortos-Vivos (confesso que o primeiro que vi foi o remake de 1990, no Cine Trash, para depois ver o original, de 1968), um outro que me marcou muito foi Fome Animal (1992), um dos primeiros filmes de Peter Jackson – que na década seguinte ficou famoso pelos filmes da série Senhor dos Anéis. Fome Animal tem o trash e o suspense dos filmes de zumbis, além de incorporar doses cavalares de humor. A mistura de mortos-vivos e humor, aliás, é sempre muito apreciada por mim. Além de Fome Animal, outros dois que são verdadeiros campeões nesse mix são Todo Mundo Quase Morto e Zumbilândia.

Embora os zumbis estejam por aí há muito tempo, eles nunca foram esquecidos. Até cineastas mais cult, como Danny Boyle, já se meteu com mortos-vivos cheios de energia – até demais, o que causou estranhamento, mas foi bem-recebido – em Extermínio. Zach Snyder, que acabou de ser confirmado como diretor do próximo filme do Super-Homem, mostrou a que veio em 2004 com Madrugada dos Mortos, remake do longa homônimo dirigido por Romero em 1978. O longa de Snyder é fiel à obra original, tenso, bem-dirigido e assustador, elementos essenciais quando estamos falando de um filme de zumbi que tem como base um longa de Romero. É um clássico moderno do gênero. Outro filme que me vem à cabeça é Cemitério Maldito (1989), filme que embalou tantos pesadelos quando eu tinha uns nove anos. Baseado em livro de Stephen King (um dos poucos que li do autor), o filme acompanha o drama de um médico que se muda a uma pequena cidade norte-americana numa vizinhança pacata, mas que abriga um cemitério de animais (daí vem o nome original do terror, Pet Sematary) que, na realidade, tem propriedades estranhas capazes de trazer os mortos à vida. Mas, diferentemente dos zumbis, eles voltam com personalidade, vontades e maldosos. Muito mais maldosos do que as criaturas comedoras de miolos. Geralmente, aliás, os zumbis não têm personalidade – pelo menos se forem desenvolvidos de acordo com a tradução. Mas o próprio Romero burlou esta regra em Dia dos Mortos (1985) e deu certo: Bub, um zumbi meio domesticado é um personagem bem bacana. Serviu de inspiração para Fido – O Mascote (2006), que apela para gêneros como drama, romance e comédia para contar uma história de zumbis.

Recentemente, a tecnologia 3D nos trouxe zumbis também em 3D: é o caso de Resident Evil 4: Recomeço. O filme não traz tantos zumbis legais, muito menos em 3D, mas zumbis são legais de qualquer jeito. Mas eu sei que gostar de filmes de zumbis é como gostar de heavy metal: se você não começou até os doze anos, dificilmente vai aderir à causa na idade adulta. Mas vale a tentativa. Acho que hoje aprecio mais o heavy metal do que aos 12, então ainda há esperanças!

SCOTT PILGRIM VS THE WORLD

Scott Pilgrim e Ramona

Acho que um dos filmes mais esperados pelos nerds ou qualquer outra palavra que você queira denominar grupos de jovens é Scott Pilgrim vs the World. No Brasil, o filme está previsto para estrear em novembro, enquanto que no dia 13 de agosto ele já estará pelos cinemas norte-americanos. Agora, por que a ansiedade? Vamos lá:

1. Michael Cera: Ele é um dos atores que mais representam o que é ser nerd nos dias de hoje. Quer dizer, é como uma representação hollywoodiana, mas ele é esquisitinho, bonitinho, tem cara de tímido e conquista o coração das garotinhas desde que apareceu como o virgem romântico de Superbad – É Hoje, passando pelo adorável Bleeker de Juno e agora como o herói Scott Pillgrim.

2. HQ: É, o filme é baseado numa série de história em quadrinhos de seis volumes (somente os dois primeiros foram lançados no Brasil até agora, compilados numa única edição). Criados por Bryan Lee O’Malley, a estética das histórias se aproximam ao mangá, nas feições dos personagens, enfim, a estética da história. E é uma HQ legal, rápida de ser lida e relativamente simples.

3. Games: A história é a seguinte: Scott (Cera) tem 23 anos, mora no Canadá e é guitarrista de uma banda que não faz muito sucesso. Ele conhece Ramona (Mary Elizabeth Winstead), por quem se apaixona, mas tem de enfrentar seus sete ex-namorados malvados. Parece uma história bem comum, se os personagens não fossem dotados de poderes, como nos videogames. E, também como nos jogos, Scott enfrenta cada um dos ex de Ramona e, passada cada fase, ele fica mais perto de viver em paz com a menina de cabelos roxos. Essa mistura de vida banal e games parece ser bacana o suficiente para atrair a curiosidade da garotada nerd, que se acotovelou na última Comic-Con (a Meca dos nerds, uma feira anual que ocorre em San Diego e, se você precisou desta minha explicação para saber o que é Comic-Com, não deve ser do tipo que está ansioso para ver Scott Pilgrim vs the World) para ver Cera fantasiado de super-herói musculoso na sessão de perguntas e respostas que participou ao lado do elenco e do diretor do filme.

4. O diretor: Acho que este é o motivo mais forte para eu ter vontade de ver este filme. Mais do que eu ter curtido a HQ, mais do que o fato de eu ser uma das garotinhas apaixonadas por Cera desde Superbad – É Hoje. O diretor é Edgar Wright, que dirigiu um dos filmes mais legais de zumbi já feitos: Todo Mundo Quase Morto (2004). Meu, TODO MUNDO QUASE MORTO. Desculpe, caro leitor, se você não curte filmes de zumbis nem sabe do que estou falando, mas acredite quando digo que é um dos filmes de zumbis mais legais já feitos por que ele tira sarro com o devido respeito dos filmes do gênero. É uma comédia que homenageia os clichês que giram em torno dos filmes de zumbis, de uma forma inteligente e repleta de referências divertidas.

5. Música: Sabe o que tem em uma das sequências de Scott Pilgrim vs the World? O tema de abertura de Seinfeld.

6. Algo me diz que Kieran Culkin como o roomate gay de Scott Pilgrim será algo digno de nota.

7. O trailer é bacana e só mostra como Michael Cera é capaz de ter cara de bobo, mais ou menos como o personagem da HQ. Veja abaixo. E tem outro.

E encerro aqui minha série “especulações/ ansiedade” de filmes que vêm por aí.  Este filme, aliás, também está na categoria dos “filmes bobos que eu vou curtir”, como o filme mais bobo que eu curto: Dez Coisas que eu Odeio em Você.